Vinhos premiados no concurso internacional "Mundus Vini"

vencedor-2016-tejo

Selecção de Enófilos Reserva Tejo 2011

«Este Selecção de Enófilos Reserva, é elaborado a partir de uvas selecionadas das castas Castelão, Tinta Roriz, Alicante Bouschet e Syrah, que estagiam 12 meses separadamente em barricas de carvalho originando um vinho singular onde predominam notas de frutos do bosque, na boca é intenso e persistente ótimo para acompanhar queijos e carnes assadas.» Martta Reis Simões - Enóloga

Tipo: Tinto
Castas: Tinta Roriz, Syrah, Castelão e Alicante Bouschet
Classificação: Vinho DOC Do Tejo

Enólogos: Martta Reis Simões

Vinificação: Após 2 dias de maceração pelicular a frio seguiu-se a fermentação com temperatura controlada a 23ºC. Após a fermentação maloláctica e o estágio parcial de 4 meses em barricas de carvalho americano, o lote final foi colado e filtrado antes do engarrafamento.

Ano de Colheita: 2015

Teor Alcoólico: 13,5% vol.
Acidez Total: 5,6 gr/Lt.
PH: 3,6

Cor: Rubi carregado.
Aroma: Limpo, notas de frutos vermelhos, especiarias, vegetal e ligeiro toque a madeira.
Prova: Encorpado, redondo com taninos suaves.
Final de Boca: Persistente.
Gastronomia: Consumir a 16-18ºC para acompanhar queijos, salsicharia e carnes assadas no forno ou estufadas.

vencedor-2016-douro

Selecção de Enófilos Douro Private Collection 2013

Um vinho engarrafado na Quinta das Bandeiras que fica localizada no Pocinho (Douro Superior), na margem direita do rio Douro e oposta ao famoso Vale Meão. A propriedade conta com 100 hectares, contando com vinhas velhas e com vinhas relativamente novas plantadas mais perto do rio. Em 2005 a Quinta das Bandeiras foi comprada pela família Bergqvist, proprietária da famosa Quinta de La Rosa onde desponta a enologia de um dos melhores enólogos de Portugal, Jorge Moreira.

Feito a partir de vinhas jovens de Touriga Nacional e Touriga Franca, com estágio de 12 meses em barricas sendo 30% novas. Um tinto do Douro a mostrar a raça que caracteriza os vinhos da região, com boa intensidade onde a Touriga Nacional confere toda a estrutura ao vinho e a Touriga Franca contribui com os aromas a frutos do bosque bem maduros, notas de especiarias e o vegetal em tom de esteva a marcar o segundo plano. A madeira onde estagiou arredondou-lhe ligeiramente os cantos, novamente a fruta a marcar presença assente numa boa estrutura com ligeira secura no final de boca. É um vinho feito a pensar na mesa e em pratos de forte tempero como um pernil de cabrito no forno ou uns grelhados de novilho no carvão. Podendo ser consumido desde já, tem energia suficiente para o fazer perdurar durante mais uns anos em garrafa.

Partilhar
Facebook Twitter Mais